INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

Giselle Miranda




Espaço Saúde / Giselle Miranda
Formada em fisioterapia pela Unigranrio em dezembro de 2003, especialista em RPG, Acupuntura e Pilates e segunda graduação em Farmácia.
Consultório em Santa Cruz da Serra (Rua da Feira, 20 – sala 203 - Telefone: 3658-6920) junta com minha irmã e sócia Kelly Miranda que é graduada em Farmácia pela Unigranrio e Estética pela UNISUAN.
Estamos sempre fazendo novos cursos trazendo sempre novidades e especializações.

Atendemos fisioterapia, Rpg, Acupuntura, aurícula, pilates, drenagem linfática, estética. Temos também fonoaudióloga, nutricionista e pedóloga.





FISIOTERAPIA NA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)

A articulação temporomandibular (ATM) é responsável pelos movimentos da nossa boca e temos uma de cada lado (em frente de cada orelha). As patologias que acometem essa articulação e os músculos que fazem seus movimentos são chamadas de disfunções temporomandibulares (DTM). 

Milhões de pessoas no mundo apresentam sinais e sintomas da disfunção temporomandibular, porém a DTM ainda é pouco conhecida. As lesões são causadas por movimentos desnecessários que fazemos com a boca, hábitos chamados de parafuncionais como mascar chicletes, roer unhas, apoiar o queixo com a mão, morder gelo, canetas e outros objetos. 
O bruxismo como é conhecido o ato de ranger os dentes que algumas pessoas realizam ao dormir, também está entre os principais fatores que causam DTM. A vigilância cognitiva comportamental para eliminação desses hábitos, a proteção dos dentes e dos músculos para os que apresentam esse distúrbio do movimento, pode ser a chave para o alívio dos sintomas da disfunção.


Esta é uma disfunção que causa sofrimento a milhões de pessoas no mundo e não escolhe sexo nem idade, até crianças e adolescentes podem desenvolver DTM, sendo que 90% dos que buscam tratamento são mulheres na faixa etária de 15 a 45 anos. A DTM causa dor e muitas vezes incapacitante, diminuindo a qualidade de vida e até privando as pessoas do convívio social.


O Tratamento
Na maioria dos casos, o tratamento é simples e conservador, feito por meio de exercícios, compressas, relaxamento muscular, controle da ansiedade e depressão, treino comportamental. Porém é necessária a atuação de uma equipe multidisciplinar com profissionais de diversas áreas, como odontologia, fisioterapia, neurologia, reumatologia, psicologia, otorrinolaringologia, endocrinologia e fonoaudiologia, uma vez que a origem das DTM´s é multifatorial.



A Fisioterapia em DTM e Dor Orofacial

Para a Academia Americana de Desordens Craniomandibulares, “a fisioterapia ajuda a aliviar a dor músculo-esquelética e a restaurar a função normal por meio da alteração da entrada sensorial e redução da inflamação, diminuindo, coordenando e fortalecendo a atividade muscular, e promovendo o reparo e regeneração dos tecidos”.


A intervenção da fisioterapia nas DTM é realizada através do emprego de várias modalidades terapêuticas tais como a acupuntura, a eletroterapia por ultra-som e fonoforese, laserterapia e analgesia por estimulação elétrica transcutânea (TENS), terapia de calor e frio, terapia manual para mobilização de tecidos moles e articulares bem como a liberação miofascial dependendo de uma avaliação criteriosa do paciente.
Já na abordagem postural através dos conceitos de cadeias musculares, a RPG, reeducação postural global, atua como fator de prevenção e correção das alterações biomecânicas, objetivando melhorar o posicionamento da cabeça e da coluna cervical, reduzindo os esforços musculares e articulares impostos às articulações. Também se mostra eficaz no controle das dores causadas pela formação dos pontos gatilhos (os trigger points).

A Fisioterapia atua nos seguintes casos:

• Processos inflamatórios: edemas causado por capsulites, retrodiscites e traumas agudos;


• Processos dolorosos agudos e crônicos: inflamação, tensão muscular e ligamentar, pontos gatilhos e dor miofascial;

• Processos degenerativos: osteoartrite e osteoartose devido à alteração da biomecânica mandibular;
• Tratamento da disfunção parafuncional através da melhora da coordenação dos movimentos mandibulares;
• Patologias articulares: deslocamento articular com ou sem redução de disco, fibrose discal;
• Pós-operatórios de cirurgias ambulatoriais e hospitalares;
• Melhora na condição de hipomobilidade e hipermobilidade articular;
• Correção de fatores posturais e biomecânicos.



Principais sintomas de DTM:

• Cefaléias (dores de cabeça, muito parecidas com enxaquecas);

• Otalgias (dor de ouvido ou ao redor);

• Dor orbicular (dor e pressão atrás dos olhos);

• Ruídos articulares: um “clique” ou sensação de desencaixe ao abrir ou fechar a boca;

• Dor ao bocejar, ao abrir muito a boca ou ao mastigar;

• Mandíbulas que “ficam presas”, travam ou saem do lugar;
• Fadiga (cansaço) nos músculos da mastigação;
• Uma brusca mudança no modo em que os dentes superiores e inferiores se encaixam;
• Bruxismo (ranger dos dentes noturno) e/ou apertamento diurno;
• Alguns tipos de zumbido;
• Cervicalgia (dor no pescoço) referindo dor para a face.


Auto-teste de dor orofacial e disfunção de ATM
Você tem DTM? Faça seu auto-teste.

1. Você sente dificuldade ou cansaço na boca ao se alimentar?

2. Você tem sons (tipo estalido) próximo aos ouvidos ao abrir ou fechar a boca?

3. Você tem dificuldade para abrir a boca?
4. Ao abrir a sua boca ela desvia para algum dos lados?
5. Você tem dor de cabeça constante?
6. Você range ou aperta os dentes?
7. Você sente dificuldade para abrir a sua boca ao acordar?
8. Você acorda com dor de cabeça e cansaço?
9. Você já travou a sua boca (aberta ou fechada)?
10. Você tem estes sintomas acima acompanhados de zumbido?


Se você responder a uma dessas questões positivamente, provavelmente você está desenvolvendo uma DTM/DOF e deverá procurar um especialista em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial. (FONTE: UNIFESP).



O que é Hérnia de disco?
A coluna vertebral é composta por vértebras, em cujo interior existe um canal por onde passa a medula espinhal ou nervosa. Entre as vértebras cervicais, torácicas e lombares, estão os discos intervertebrais, estruturas em forma de anel, constituídas por tecido cartilaginoso e elástico cuja função é evitar o atrito entre uma vértebra e outra e amortecer o impacto.
Os discos intervertebrais desgastam-se com o tempo e o uso repetitivo, o que facilita a formação de hérnias de disco, ou seja, a extrusão de massa discal que se projeta para o canal medular através de uma ruptura da parede do anel fibroso. O problema é mais freqüente nas regiões lombar e cervical, por serem áreas mais expostas ao movimento e que suportam mais carga.

A hérnia de disco é geralmente precedida por um ou mais ataques de dor lombar.
Rupturas irradiando-se patoanatomicamente são conhecidas por ocorrer na parte posterior do anel, indo em direção a áreas nas quais as terminações nervosas descobertas estão localizadas. (Nachemson AL,1976)

Tipos de Hérnias de Disco
·        Protrusas: quando a base de implantação sobre o disco de origem é mais larga que qualquer outro diâmetro.
·        Extrusas: quando a base de implantação sobre o disco de origem é menor que algum dos seus outros diâmetros ou quando houver perda no contato do fragmento com o disco.
·        Seqüestradas: quando um fragmento migra dentro do canal, para cima, para baixo ou para o interior do forâmen.

Sintomas
Os sintomas mais comuns são: Parestesias (formigamento) com ou sem dor na coluna, geralmente com irradiação para membros inferiores ou superiores, podendo também afetar somente as extremidade (pés ou mãos). Esses sintomas podem variar dependendo do local da acometido.

Quando a hérnia está localizada no nível da cervical, pode haver dor no pescoço, ombros, na escápula, braços ou no tórax, associada a uma diminuição da sensibilidade ou de fraqueza no braço ou nos dedos.
Na região torácica elas são mais raras devido a pouca mobilidade dessa região da coluna mais quando ocorrem os sintomas tendem a ser inespecíficos, incomodando durante muito tempo. Pode haver dor na parte superior ou inferior das costas, dor abdominal ou dor nas pernas, associada à fraqueza e diminuição da sensibilidade em uma ou ambas as pernas.
A maioria das pessoas com uma hérnia de disco lombar relatam uma dor forte atrás da perna e segue irradiando por todo o trajeto do nervo ciático. Além disso, pode ocorrer diminuição da sensibilidade, formigamento ou fraqueza muscular nas nádegas ou na perna do mesmo lado da dor.

Causas
Fatores genéticos têm um papel muito mais forte na degeneração do disco do que se suspeitava anteriormente. Um estudo de 115 pares de gêmeos idênticos mostrou a herança genética como responsável por 50 a 60% das alterações do disco.(backLetter 1995).
Sofrer exposição à vibração por longo prazo combinada com levantamento de peso, ter como profissão dirigir realizar freqüentes levantamentos são os maiores fatores de risco pra lesão da coluna lombar. Cargas compressivas repetitivas colocam a coluna em uma condição pior para sustentar cargas mais altas aplicadas diretamente após a exposição à vibração por longo período de tempo, tal como dirigir diversas horas. (Magnusson ML, Pope ML, Wilder DG, 1996.)
Entre fatores ocupacionais associados a um risco aumentado de dor lombar estão:
·        Trabalho físico pesado
·        Postura de trabalho estática
·        Inclinar e girar o tronco freqüentemente
·        Levantar, empurrar e puxar
·        Trabalho repetitivo
·        Vibrações
·        Psicológicos e psicossociais (Adersson GBJ,1992)

Diagnóstico e exame
O diagnóstico pode ser feito clinicamente, levando em conta as características dos sintomas e o resultado do exame neurológico. Exames como Raio-X, tomografia e ressonância magnética ajudam a determinar o tamanho da lesão e em que exata região da coluna está localizada.

Tratamento
Fisioterapia
Rpg
Pilates
Acupuntura
Procure um profissional especializado.




Florais
Um sistema de terapia natural baseada nas descobertas e filosofia do médico Edward Bach. Os Florais de Bach são 38 essências de plantas e flores que podem nos ajudar a administrar as pressões emocionais do dia-a-dia. Cada floral é indicado a uma emoção específica. Pode ser tomado individual ou misturado de acordo com o que estiver sentindo.
Usamos os florais de Bach para superar os sentimentos ruins do dia-a-dia, no auxilio de qualquer doença, e principalmente para nos auxiliar a ampliar aquilo de melhor que existe em nós.
Dr. Eduarwd Bach: Médico, patologista, bacteriologista, homeopata, cientista inglês, Dr. Eduarwd Bach descobriu através de pesquisas e intuição o sistema Floral de Bach. É composto de flores silvestres especiais, de alta vibração, do Pais de Gales e Inglaterra. Trata-se de um tratamento complementar de ação profilática. “A doença é resultado do desequilíbrio energético, o conflito entre nossa alma e personalidade. Atua transformando o negativo em positivo. Trate a pessoa e não a doença. Trate a causa e não o sintoma.” Dr.Bach.
Lembrando que para uma indicação correta e precisa é necessário uma consulta terapeutica avaliativa com um Terapeuta-Practitioner dos.